Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cidadeagar

UMA NO CRAVO OUTRA NA FERRADURA

cidadeagar

UMA NO CRAVO OUTRA NA FERRADURA

"UMA BRINCADEIRA SÉRIA"

02.04.13, José Rocha

 

José Rocha, aluno do 1º ano do, Curso Profissional de Técnico de Construção Civil da EPRAL, Pólo de Évora ganhou o concurso “Inventa o teu Jogo”. Um concurso promovido no âmbito do 9º Campeonato Nacional de Matemática 2013, realizado em Março na cidade de Évora. O objectivo era criar um jogo matemático de tabuleiro onde não existisse informação escondida, como na batalha naval, ou existisse a intervenção da sorte e do azar, por exemplo com o lançamento de dados. O Magnus, nome do jogo, foi o pretexto para uma conversa sobre o jogo e sobre a matemática.

DS. Em que consiste este jogo que tu criaste? O Magnus.

José Rocha: O objectivo do jogo é “comer” as peças negras do adversário.

DS: Como nas damas?

José Rocha: Bem como nas damas e como no xadrez. Não é um jogo de damas. Aqui as peças estão numeradas de um a cinco, existem mais duas negras. Estas possuem um estatuto especial, quer no que diz respeito a “comer” as peças do adversário, quer na forma como se movimentam.

DS: Cada peça tem regras para se movimentar, é isso?

José Rocha: Exactamente. Um pouco como no xadrez, em que cada elemento só pode movimentar-se de determinada maneira.

DS: Como é que surgiu esta ideia?

José Rocha: Eu sempre gostei de jogos de tabuleiro. E foi um pouco por impulso. A Professora Patrícia apresentou as regras do concurso durante uma aula, lançou o desafio e, um pouco por intuição, aceitei. Pensei que era capaz de ser uma coisa interessante.

DS: E que relação tem o jogo “Magnus” com a matemática?

José Rocha: Os jogos deste tipo estão relacionados com a forma como vimos o espaço (como na geometria) tal como as estratégias que temos que usar para nos movimentarmos no tabuleiro e para ganharmos o jogo. Não tem muito a ver com a sorte ou azar. É preciso pensar.

DS: Como é que construíste o jogo?

José Rocha: Do ponto de vista dos materiais não foi muito difícil. Trata-se de um tabuleiro quadrangular, e 14 peças redondas, 5 cor de rosa, 5 azuis e 4 negras, com rebordo. O mais interessante foi testar o jogo com os meus colegas. Foram esses jogos de teste, que levaram a afinar algumas regras, quer na movimentação das peças quer na forma de jogar.

DS: E a tua relação com a matemática?

José Rocha: Bem, essa é uma pergunta difícil. Sempre foi a minha disciplina favorita, no exame de matemática do 9º ano tive 5. Depois houve um período em que nem por isso…agora que encontrei o que queria fazer do ponto de vista profissional (o Curso Técnico de Construção Civil), a matemática é o que sempre foi uma disciplina onde estou à vontade e trabalho facilmente.

2 comentários

Comentar post